30 julho 2020

Comemorações do Centenário do Nascimento de António Aragão: ano 2021, Colóquio, Exposição e Festival organizados pela Universidade Fernando Pessoa (Porto, Portugal)



António Manuel de Sousa Aragão Mendes Correia, que ficou mais conhecido apenas como António Aragão, nasceu na ilha da Madeira (Portugal) em 22 de Setembro de 1921. António Aragão foi um dos maiores vultos da Cultura e Arte Portuguesas do século XX, tendo marcado toda a sua Obra por uma forte crítica a todas as formas de opressão, do comunismo ao nazismo (ambos formas de socialismo), assumiu-se como Libertário e inerentemente anti-nacionalista, anti-racista e anti-colonialista. A sua linha de pensamento identifica-se sobretudo com o Anarco-Individualismo protagonizado por William Godwin, Josiah Warren e Henry David Thoreau.
Completando-se no ano de 2021 os 100 anos desde o nascimento de António Aragão, a Universidade Fernando Pessoa (Porto, Portugal) organiza as comemorações do centenário do seu nascimento, que incluirá as vertentes de Colóquio, Exposição e Festival, com início em Julho de 2021 e conclusão no final de Setembro de 2021.
Sob a designação genérica de "Multiplicidade da experiência: António Aragão (1921-2008), antena receptiva", as comemorações do centenário do nascimento de António Aragão são organizadas sob a direcção do Prof. Dr. Rui Torres, da Universidade Fernado Pessoa, e com a colaboração do Dr. Bruno Ministro (da Universidade de Coimbra), integrando a comissão científica dos eventos os professores: Diogo Marques (Centro de Literatura Portuguesa, Universidade de Coimbra), Duarte Manuel Freitas (Universidade Autónoma de Lisboa), Eunice Ribeiro (Universidade do Minho), Inês Cardoso (Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, Universidade do Porto), Isabel Santa Clara (Universidade da Madeira), Manuel Portela (Universidade de Coimbra), Rogério Barbosa da Silva (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Brasil), Rosa Maria Martelo (Universidade do Porto), Rui Carita (Universidade da Madeira) Sara Lacerda Campino (Instituto de Estudos de Literatura e Tradição, Universidade Nova de Lisboa).

Sem comentários:

Publicar um comentário