Mostrar mensagens com a etiqueta Poesia Experimental Portuguesa. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Poesia Experimental Portuguesa. Mostrar todas as mensagens

05 março 2021

Universidade Nova de Lisboa aprova nova tese de doutoramento sobre a Poesia Experimental Portuguesa e o papel pioneiro de António Aragão

Foi aprovada com distinção pela Universidade Nova de Lisboa a recente tese de doutoramento da autoria da Professora Sara Lacerda Campino com o título "Exercícios do olhar: Leituras das poéticas experimentais portuguesas da segunda metade do séc. XX", que se debruça sobre a Poesia Experimental Portuguesa e o papel fundamental e pioneiro de António Aragão. A tese de doutoramento pode ser consultada na íntegra no seguinte link:

11 fevereiro 2021

Neta de António Aragão escreve sobre Poesia Experimental Portuguesa para a sua escola

A neta mais velha de António Aragão, Maria Aragão Correia, aluna do grade 2 da Clonlara School, escola dos Estados Unidos da América, com sede em Michigan, viu o seu trabalho sobre Poesia Experimental Portuguesa publicado na Newsletter de Fevereiro de 2021 da sua escola.

15 dezembro 2020

University of Hawai'i prolonga exposição com Obras de António Aragão nos Estados Unidos da América

Os dois Cadernos de Poesia Experimental Portuguesa editados e coordenados por António Aragão em exposição na University of Hawai'i, USA.

University of Hawai'i at Mānoa, nos Estados Unidos da América, decidiu prolongar a exposição colectiva "Networks, Collaboration and Resistance in/between Portugal and Brazil, 1962-1982", onde se encontram representadas Obras de Arte da autoria de António Aragão que integram a colecção particular Arquivo Fernando Aguiar. Inicialmente prevista para terminar no dia 10 de Dezembro de 2020, a University of Hawai'i decidiu prolongar a exposição até ao dia 28 de Janeiro de 2021. A entrada é livre.

29 dezembro 2019

António Aragão - main founder of Portuguese Experimental Poetry

Based on the identification of three fundamental vectors in the history of Portuguese Experimental Poetry (confluence, encounter, network), this article, written by Dr. Bruno Ministro and published by Coimbra University in December 2019, outlines, in the first part, an overview of the flows and counterflows that marked literary experimentalism activities during the 1960s. In the second part, it is argued that António Aragão plays a pivotal role in the dialogues established in an international network, shedding light on some of his contacts with several Italian neo-avant-garde poets and analyzing his collaboration in one of their most known magazines.

13 setembro 2019

Revista Colóquio Letras publica novo ensaio sobre António Aragão


A Revista Colóquio Letras, da Fundação Calouste Gulbenkian, publicou este mês (Setembro de 2019) um novo ensaio sobre António Aragão, da autoria do Dr. Bruno Ministro:

"Mergulhar e quase desaparecer : António Aragão e a poesia experimental portuguesa" / Bruno Ministro. In: Revista Colóquio/Letras. Ensaio, n.º 202, Set. 2019, p. 149-159.
Resumo: Retomando a história incompleta da PO.EX, esta investigação pretende, não só lançar uma nova perspetiva sobre a génese do experimentalismo português, como também resgatar aquela que é uma das suas figuras mais determinantes e, simultaneamente, hoje mais invisibilizadas.

27 agosto 2019

António Aragão em exposição no Rio de Janeiro

A exposição "Poesia Experimental Portuguesa" organizada pela Espaço Líquido, com curadoria de Omar Khouri e Bruna Callegari, e patrocinada pelo Governo Federal do Brasil, chegará em breve à cidade do Rio de Janeiro, onde estará patente ao público depois do sucesso obtido nas cidades de Brasília e São Paulo. Esta importante exposição integra diversas Obras da autoria de António Aragão, principal pioneiro da Poesia Experimental em Portugal.

09 junho 2019

Obras de António Aragão em exposição no Metro da Cidade de São Paulo


Obras de António Aragão em exposição no Metro de São Paulo até 2 de Julho

A convite do Consulado de Portugal em São Paulo, diversas Obras da exposição "Poesia Experimental Portuguesa", exposição patrocinada pelo Governo Federal do Brasil, estarão expostas na Estação da Luz (Linha 4-Amarela) do Metro da Cidade de São Paulo, de 3 de Junho a 2 de Julho de 2019. 

A curadoria realizada por Bruna Callegari e Omar Khouri, com a chancela da Espaço Líquido, é um recorte de 20 Obras, dentre as mais de 80 que estiveram na exposição original realizada na cidade de Brasília em 2018. São reproduções-cartazes que trazem um pouco da história da Poesia Esperimental Portuguesa desde a década de 1960 aos dias actuais e que divulgarão o projecto para um público estimado de 5 milhões de pessoas que circularão pela estação do Metro durante o período expositivo.

A exposição com Obras originais reúne 18 Artistas, entre os quais António Aragão, pioneiro da Poesia Experimental Portuguesa, e tem prevista itinerância por São Paulo e Rio de Janeiro entre 2019 e 2021.

Foto de uma das Obras de António Aragão expostas no Metro de São Paulo.

20 maio 2019

António Aragão em exposição no Metro de São Paulo



António Aragão no Metro da Cidade de São Paulo, Brasil

No âmbito da itinerância da Exposição Poesia Experimental Portuguesa no Brasil, exposição organizada pela Espaço Líquido com o patrocínio do Governo Federal do Brasil, diversas Obras de António Aragão, conjuntamente com as de outros Artistas de relevo, estarão em exposição na Estação da Luz do Metro da Cidade de São Paulo, do dia 3 ao dia 30 de Junho de 2019. A Estação da Luz é uma das estações de Metro com maior fluxo de usuários da Cidade de São Paulo. A Espaço Líquido estima uma circulação de 5 milhões de pessoas que terão acesso à exposição.

16 abril 2019

Diário de Notícias Madeira: «‘Electrografias’ junta três livros e inéditos de António Aragão»

Diário de Notícias Madeira
16 de Abril de 2019

‘Electrografias’ junta três livros e inéditos de António Aragão


A obra está no prelo, chegará ao público através da editora Búsilis


PORTO /
16 ABR 2019 / 09:00 H.





A capa do novo livro. Foto DR

Está no prelo uma nova edição sobre a Poesia Visual de António Aragão, um livro que reúne três publicados em 1990 e que inclui ainda inéditos. ‘Electrografias’ chega ao público este ano pela editora Búsilis, é um livro ampliado com obras do autor, uma referência na poesia experimental portuguesa, e um texto introdutório de Bruno Ministro intitulado ‘Invenção, destruição: O ininterrupto gesto de pensar o mundo de forma arriscada’. A coordenação foi de Rui Torres, docente da Universidade Fernando Pessoa.
A notícia da nova edição foi avançada pelo filho de António Aragão e está também no site do Arquivo Digital da PO.EX - Poesia Experimental Portuguesa. Este novo livro é uma obra construída através de uma exploração criativa da fotocopiadora. “Electrografias apresenta trabalhos contaminados por efeitos de arrastamento, desgaste e distorção”, revela a sinopse. “Ao atingirem a imagem e a palavra, estas acções estético-performativas contribuem para a emergência de uma poética do excesso em que a iconoclastia da imagem e o nonsense da palavra se cruzam numa conjugação que tem tanto de humorístico quanto de violento”.
Os novos textos que foram incluídos em ‘Electrografias são provenientes dos arquivos de César Figueiredo e de Fernando Aguiar.
António Aragão faleceu em 2008, deixando um extenso trabalho. Além de poeta, escritor e pintor, o madeirense nascido em 1921 deixou ainda a sua marca enquanto historiador, tento entrado no campo da ficção, da dramaturgia, da arqueologia.
Organizador da revista Poesia Experimental (1964 e 1966), participou nas principais iniciativas do experimentalismo literário em Portugal bem como em inúmeras exposições, revistas e projectos no estrangeiro, recorda o Arquivo Digital da PO.EX - Poesia Experimental Portuguesa. “O conjunto da obra de António Aragão é marcado por uma acutilante visão crítica do mundo, dos discursos e dos poderes instituídos”, escreve.
Este livro deverá em breve estar disponível.

in Diário de Notícias Madeira, 16 de Abril de 2019
https://www.dnoticias.pt/5-sentidos/electrografias-junta-tres-livros-e-ineditos-de-antonio-aragao-BA4640571

05 abril 2019

Nova edição de "Electrografias" de António Aragão




Nova edição de Electrografias de António Aragão (Busílis, no prelo)


Publicação de Electrografias, de António Aragão.
Dados da publicação > Editora: Busílis | Local: Porto | Ano: 2019 | Formato: 148×210 | Nº de páginas: 218 | ISBN: 978-989-8582-65-2

Sinopse > Obra construída através de uma exploração criativa da fotocopiadora, Electrografias apresenta trabalhos contaminados por efeitos de arrastamento, desgaste e distorção. Ao atingirem a imagem e a palavra, estas acções estético-performativas contribuem para a emergência de uma poética do excesso em que a iconoclastia da imagem e o nonsense da palavra se cruzam numa conjugação que tem tanto de humorístico quanto de violento. Electrografias reúne num só volume três obras originalmente publicadas em 1990, agora expandidas com um conjunto de inéditos provenientes dos arquivos de César Figueiredo e de Fernando Aguiar.
Sobre o autor > António Aragão (Madeira, 1921-2008), poeta, escritor, pintor, historiador, foi um dos mais activos autores da poesia experimental portuguesa. Organizador da revista Poesia Experimental (1964 e 1966), participou nas principais iniciativas do experimentalismo literário em Portugal bem como em inúmeras exposições, revistas e projectos no estrangeiro. O seu domínio de acção artístico-literária estende-se da poesia experimental à poesia concreta e visual, abarcando ainda a ficção experimental, o teatro e a electrografia. O conjunto da obra de António Aragão é marcado por uma acutilante visão crítica do mundo, dos discursos e dos poderes instituídos. Esta perspectiva incisiva expressa-se através de uma não menos radical materialidade do texto e da imagem.

Inclui texto introdutório de Bruno Ministro, “Invenção, destruição: O ininterrupto gesto de pensar o mundo de forma arriscada”.

19 outubro 2018

Exposição Poesia Experimental Portuguesa em Brasília com Obras de António Aragão





Exposição Poesia Experimental Portuguesa
Local: CAIXA Cultural Brasília – Galerias Piccola I e II (SBS Quadra 4 Lotes 3/4), Brasília
Curadoria: Bruna Callegari e Omar Khouri
Abertura: 16 de outubro de 2018, às 19h
Visitação: de 17 de outubro a 16 de dezembro de 2018
Horário: de terça a domingo, das 9h às 21h
Entrada Franca
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal do Brasil.

12 outubro 2018

GPS Lifetime: «Chega a Brasília exposição sobre Poesia Experimental Portuguesa»

GPS Lifetime

Chega a Brasília exposição sobre Poesia Experimental Portuguesa

Uma das diversas Obras de António Aragão em exibição em Brasília

O compilado de obras estará exposto na CAIXA Cultural Brasília

«A CAIXA Cultural Brasília recebe, de 17 de outubro a 16 de dezembro, a exposição Poesia Experimental Portuguesa, nas Galerias Piccola I e II. O compilado de obras apresenta, pela primeira vez ao público brasileiro, um panorama da poesia experimental realizada em Portugal desde os anos 1960 até os dias atuais.

São cerca de 80 trabalhos de 18 artistas portugueses. A coletânea, com curadoria de Bruna Callegari e Omar Khouri, percorre uma trajetória de seis décadas de produção poética em diferentes formatos e suportes: impressões, pinturas, caligrafias, fotografias, objetos, áudios e vídeos.

Apelidada com as iniciais de Poesia Experimental, a PO-EX nunca se configurou como um movimento fechado e teve pouca visibilidade no Brasil, embora ambos os países compartilhem da mesma língua e os portugueses tenham sido influenciados pela Poesia Concreta brasileira. Na exposição, destacam-se obras de artistas como E.M. de Melo e Castro, Ana Hatherly, António Aragão, Salette Tavares, Silvestre Pestana, António Barros, Fernando Aguiar, Emerenciano, entre outros.

A Poesia Experimental se configura como uma prática artística de resistência e transgressão.

Em suas viagens a Portugal, a curadora Bruna Callegari encontrou com artistas, colecionadores e instituições de arte, recolhendo revistas independentes, documentos, obras em papel, colagens, arte-postal, registros em vídeo e objetos.

A exposição visa resgatar e evidenciar o histórico dos artistas e de sua valiosa produção cultural.»,

in GPS Lifetime, 10 / 11 Outubro 2018

10 outubro 2018

António Aragão em exposição no Brasil


Patrocinada pelo Governo Federal do Brasil, inaugura-se em Brasília, na CAIXA Cultural, no dia 16 de Outubro de 2018 às 19 horas, a mega exposição "Poesia Experimental Portuguesa", organizada pelo Espaço Líquido sob a curadoria de Bruna Callegari e Omar Khouri.
Esta importante exposição, que estará patente ao público até ao dia 16 de Dezembro de 2018, integra numerosas obras da Poesia Experimental Portuguesa da autoria dos principais Poetas Experimentais, entre os quais se destaca o seu fundador António Aragão.

20 abril 2018

Recensão da autoria do Dr. Bruno Ministro sobre a ampla produção de electrografias da autoria de António Aragão


Recensão da autoria do Dr. Bruno Ministro sobre a ampla produção de electrografias levadas a cabo por António Aragão durante a década de 1980


Electrografia 1, ou o elogio da loura de Ergasmo nu Atlânticu é um livro que se enquadra na ampla produção de electrografias levadas a cabo por António Aragão durante a década de 1980. O autor faz uso de procedimentos de manipulação electrográfica na construção de textos visuais com recurso à máquina fotocopiadora. Publicados em 1990 na Vala Comum, editora dirigida pelo próprio Aragão, os textos presentes em Electrografia 1 foram concebidos em 1984, segundo data atribuída pelo autor. Este volume é o primeiro de uma série de três livros publicados em 1990 com a estampa da sua editora: Electrografia 2 ou merdade my son, composto em 1985; e Electrografia 3 ou céu ou cara dente por dente, criado em 1987.

Descoberto por Pál Selényi no início do século XX e posteriormente desenvolvido por Chester Carlson, o processo de cópia electrofotográfica massificou-se através da comercialização de fotocopiadoras a partir da década de 1960. Ao mesmo tempo que as máquinas começam a ser usadas em escritórios e estabelecimentos comerciais, artistas como Barbara Smith, Esta Nesbitt, Bruno Munari, Joseph Beuys e Sonia Landy Sheridan fazem as primeiras experiências estéticas com recurso à nova tecnologia. Esta prática artística, conhecida como electrografia ou copy art, mas também nomeada como xerografia ou arte da fotocópia, vai ser desenvolvida por vários artistas plásticos, designers gráficos e poetas visuais sobretudo entre as décadas de 1960 e 1990.

Em Portugal, António Aragão é um dos pioneiros no campo da experimentação das possibilidades expressivas da electrografia. Os primeiros trabalhos de que há registo estão publicados em Poemografias: Perspectivas da Poesia Visual Portuguesa, livro impresso em 1985 e no qual onze poetas visuais e experimentais apresentam ensaios com propostas de caminhos para o experimentalismo português. Estes textos são acompanhados por uma mostra de trabalhos criativos da autoria dos mesmos artistas. De António Aragão encontramos já ali excertos das primeiras experiências da série de electrografias (pp. 189-200) que apenas serão publicadas na íntegra cinco anos mais tarde.

Electrografia 1 é constituída por três imagens fotográficas originais que se metamorfoseiam através da manipulação que delas é feita no decorrer do processo de cópia. Nas composições de Aragão, é possível identificar um conjunto de técnicas características da arte electrográfica, como são os casos do copy motion – efeito de movimento gerado pelo deslocamento do material original durante o processo de cópia – e da degeneração, procedimento iterativo de cópia da cópia que leva a imagem a desintegrar-se, apresentando um aspecto gasto, devido ao acentuado contraste entre tons e respectiva perda dos tons intermédios da matriz. Na sua obra, Aragão faz igualmente uso de estratégias de sobreposição, deformação, repetição, ampliação e redução, fazendo jus à tese apresentada por Christian Rigal quando afirma que a electrografia é a antítese da cópia, uma vez que “todas as técnicas electrográficas (…) são técnicas de transformação”. (Rigal, 2005: 61)

Às imagens manipuladas, António Aragão junta fragmentos verbais escritos em letra cursiva. As frases que em Electrografia 1 se imiscuem com as imagens apresentam também elas uma estética da distorção do discurso, fazendo implodir o sentido num processo de recursiva dessemantização que, através do nonsense, persegue a destruição das retóricas instituídas. Imagem e palavra não devem ser entendidas separadamente. Sobre o caso concreto da electrografia, Aragão defende no ensaio “A escrita do olhar” que palavra e imagem “não são concebidas como dois componentes isolados no texto mas antes como uma visualização articulada sempre entre imagem e palavra.” (Aragão, 1985: 186)

Ao se basearem as 38 páginas em apenas 3 imagens-matriz e tendo em conta que alguns fragmentos verbais de certa forma se repetem, Electrografia 1 tem a unidade característica de um trabalho que é desenvolvido em série. Isto é importante na medida em que, em primeiro lugar, apresenta, sem obstruções românticas, o processo genético da obra e, em segundo lugar, expõe o livro enquanto objecto com uma estrutura narrativa que não é obrigatoriamente linear.

Tem especial relevo o facto de António Aragão afirmar que não se serve da fotocopiadora apenas enquanto ferramenta para a criação, assumindo inclusive que a tecnologia participa na estruturação da obra como agente activo na interação homem-máquina: “os dois «sujeitos» funcionam numa palpitante simbiose como se fossem reduzidos apenas a um só, isto é, como se se tratasse duma única existência sistemática de que ambos participam igualmente conjugados.” (Aragão, 1987: 150) Este é mais um dos indicadores de que trabalhos artísticos como as electrografias de António Aragão preparam já a era digital.

Com o seu trabalho de copy art, António Aragão exerce uma enorme influência sobre um conjunto de outros poetas visuais que, pertencendo ao seu circuito de afinidades pessoais e estéticas, colaboram activamente nas suas experiências. É o caso do núcleo de artistas que, na década de 1980, na ilha da Madeira, se junta à volta da fotocopiadora e que inclui nomes como António Dantas e António Nelos, mas é também o caso de outros poetas experimentais como César Figueiredo que trabalharam a fundo este meio. O trabalho destes poetas visuais vai ser difundido ao longo dos anos 1980 e 1990 em exposições nacionais e internacionais, mas é sobretudo a sua actividade na rede internacional de arte postal que vai fazer circular as criações deste conjunto de poetas que, não destoando da recepção do experimentalismo na esfera editorial e crítica portuguesa, foi mantido à margem dos circuitos de distribuição comercial.

Este texto foi publicado em português no Arquivo Digital da PO.EX - Poesia Experimental Portuguesa

Este texto foi publicado em Inglês no Electronic Literature Directory, parceiro institucional do Arquivo Digital da PO.EX - Poesia Experimental Portuguesa:

This text was published in English in the Electronic Literature Directory, institutional partner of the Digital Archive of the PO.EX - Portuguese Experimental Poetry: