09 abril 2021

Peça de Teatro "Desastre Nu" de António Aragão de volta à cena no Porto


"A humanidade cheira mal.

É no universo do Teatro do Absurdo que procuramos expressar o sentido do sem sentido da condição humana que neste espectáculo surge como ideia inicial. A expressão artística dá espaço à filosofia implícita no texto sem lhe colocar necessariamente um significado objectivo. Através da poesia do discurso, o actor faz emergir imagens concretas abandonando assim os instrumentos racionais e objectificando o trabalho de actor em palco.

Nos quadros desta peça – que não estão claramente ligados entre si - trabalhamos o espaço vazio, permitindo ao actor a execução do trabalho pela via do desligamento da realidade. É através do jogo de movimento e das palavras que criamos acções repetidas e sem sentido, dentro do sentido não natural do próprio discurso. Elementos cómicos relacionados com discursos trágicos formam a execução teatral. Diálogos com cliché e alguma paródia permitem uma viagem absolutamente responsável neste universo do absurdo e neste texto repleto de questões, promovendo assim reflexão sobre os temas que a todos nos apoquentam. É na loucura dos tempos de ontem e de hoje que nos inspiramos, conscientes de sermos questionadores afirmativos das problemáticas globais.

Deparamo-nos em reflexão com a realidade suja da nossa existência. A humanidade está cheia de si mesma. As questões que a fazem caminhar para diante, fazem-na recuar no tempo dos tempos até mesmo ao antes da existência da consciência do ser e do estar. É urgente destruir (reconstruir?) o poder. O poder político, o poder religioso, o poder económico, o poder social, a discriminação e o abuso ligam-se num só texto e em palco num jogo de poder, com enredos cíclicos e absurdamente expansivos."

Autor António Aragão Encenação e Dramaturgia Daniela Pêgo Assistente de Encenação/Desenho de Luz André Rabaça Interpretação Flávio Hamilton, Diana Barnabé, Filipe Gaspar, Gustavo Caldeira Figurinos e Adereços Cláudia Ribeiro Assistente de Figurinos e Aderecista Inês Liberal Mestra Costureira Marlene Rodrigues Execução de Adereços Cláudia Ribeiro, José Lopes Música Carlos Adolfo Direcção de Produção Sofia Leal Assistente de Produção José Pedro Pereira Fotografia Nuno Ribeiro Design Tiago Dias Direcção Artística do Teatro Art´Imagem José Leitão

M/12 
 90M (aproximadamente)

Quinta da Caverneira

Av. Pastor Joaquim Eduardo Machado

Águas Santas

4425-253 Maia - Porto

Portugal

GPS:  - 08º 34' 35'' O  |  - 41º 12' 06'' N

TEL: (+351) 22 208 40 14  |  FAX: (+351) 22 208 40 21

teatroartimagem@hotmail.com

https://www.noticiasmaia.com/maia-teatro-artimagem-traz-desastre-nu-de-volta-a-cena/

15 março 2021

Comemorações do Centenário do Nascimento de António Aragão: Colóquio Universidade Fernando Pessoa, Porto, Julho de 2021


os sinais são as evidências que permanecem sempre apontando


2021 – Centenário do Nascimento de António Aragão

S. Vicente, Madeira (1921) – Funchal, Madeira (2008)


Universidade Fernando Pessoa, Porto, Julho 2021

Organização: Prof. Dr. Rui Torres



potencialidade do acontecer

coloquioantonioaragao2021@gmail.com

basta (ass)assinar

https://po-ex.net/tag/antonio-aragao/ 

qualquer dia nada resta. consumou-se um crime

história, urbanismo, arqueologia, etnografia

ilegibilidade essencial do objecto de arte

artes, ofícios, mediações

um leque – leque moderno, actual, contemporâneo

poesia, prosa, letras

um enfeixar de diferentes vozes

celebrar, conhecer, dialogar

disse antónio aragão

e nós procuramos múltiplas experiências, antenas receptivas

sentimos necessidade de comunicar
 

temas propostos:

[1.1] um céu azul por cima e um pitoresco turístico em volta

história e etnografia
[antónio aragão investigou a história, urbanismo, arqueologia e etnografia do Arquipélago da Madeira: qual a importância e atualidade dos seus estudos?]

[1.2] ler é igual a ver e ver igual a ler

pintura e escultura
[antónio aragão criou pinturas, desenhos, aguarelas, colagens, livros de artista, esculturas: que desafios para um entendimento da arte essas obras ainda levantam?]

[1.3] forças semânticas imprevistas

poesia e prosa
[antónio aragão escreveu poemas, romances, contos, crónicas e teatro: qual a relevância desses textos para compreender a multiplicidade da literatura?]

[1.4] novas morfologias

concretas e visuais
[antónio aragão compôs obras caraterizadas pela espacialização, constelação e visualismo: qual o lugar do autor no contexto do experimentalismo literário?]

[1.5] a poesia deve ser tomada por todos os sentidos

tecnologia(s) e suporte(s)
[antónio aragão trabalhou em simbiose com fotocopiadoras, computadores, vídeo e mostrou-se atento ao som e à performance: que estímulos na sua obra permitem pensar a sociedade mediada?]

[1.6] o artista apenas oferece uma estrutura

estética e poética
[antónio aragão ensaiou crítica e teorização das artes: que nos dizem esses exercícios sobre o seu momento e que aspetos do seu pensamento ainda perduram?]

[1.7] qualquer coisa para comunicar

edição e difusão
[antónio aragão organizou e dinamizou publicações coletivas, exposições, debates e intervenções: que marcas deixou a sua ação comunicativa?]

[1.8] um certo convívio social e humano

correspondência e rede
[antónio aragão envolveu-se na arte por correio e correspondeu-se com agentes da cultura e das artes do seu tempo: que rasto dessas interlocuções identificamos?]

[1.9] atitude gostosamente polémica

intervenção e movimento(s)
[antónio aragão era um provocador e agitador de ideias: que nos ensina o seu espírito crítico sobre a importância de desviar (d)as normas?]

[1.10] inter-acção: acto-mútuo de concordância criativa

diálogo e comunicação
[antónio aragão escreveu a várias mãos com outros e influenciou artistas e poetas: quem se declara e se apresenta?]

 

Comissão Científica

Diogo Marques (Universidade de Coimbra)

Duarte Manuel Freitas (Universidade Autónoma de Lisboa)

Eunice Ribeiro (Universidade do Minho)

Inês Cardoso (Universidade do Porto)

Isabel Santa Clara (Universidade da Madeira)

Manuel Portela (Universidade de Coimbra)

Rogério Barbosa da Silva (CEFET-MG, Brasil)

Rosa Maria Martelo (Universidade do Porto)

Rui Carita (Universidade da Madeira)

Sara Lacerda Campino (Universidade Nova de Lisboa)

09 março 2021

Região Autónoma da Madeira rejeita comemorações do Partido Comunista: Liberdade em Portugal ou Independência da Madeira!


"Celebrar o quê?
O PCP [Partido Comunista Português] celebrou cem anos com loas patéticas à ideologia comunista.
Só por ingenuidade ou idiotia é que se pode ignorar o cortejo de horrores que o comunismo e os seus sanguinários regimes trouxeram à humanidade.
Genocídio de milhões e milhões de pessoas, repressão e supressão de liberdades cívicas e políticas, ditadura implacável do partido único, atraso económico e social, campos de concentração e prisões políticas….
Estaline, Pol Pot, Mao, Castro, Kim II-sung e muitos outros genocidas são símbolos tristes do que é, e sempre será, a implantação prática do comunismo em qualquer lado.
Felizmente para todos nós, a 25 de Novembro de 1975, o PCP e as suas forças revolucionárias foram derrotados na tentativa de instaurarem uma ditadura comunista em Portugal.
O PCP é, hoje, um anacronismo com demasiada influência em Portugal.
Do fundo das suas catacumbas mentais e do seu fanatismo, continua a venerar os abjetos regimes da Coreia do Norte, da Venezuela, da China, da Bielorrússia e de Cuba e a deplorar a democracia pluralista.",

Miguel Albuquerque, Presidente do Governo da Região Autónoma da Madeira.

Diário de Notícias da Madeira, 8 de Março de 2021:

05 março 2021

Universidade Nova de Lisboa aprova nova tese de doutoramento sobre a Poesia Experimental Portuguesa e o papel pioneiro de António Aragão

Foi aprovada com distinção pela Universidade Nova de Lisboa a recente tese de doutoramento da autoria da Professora Sara Lacerda Campino com o título "Exercícios do olhar: Leituras das poéticas experimentais portuguesas da segunda metade do séc. XX", que se debruça sobre a Poesia Experimental Portuguesa e o papel fundamental e pioneiro de António Aragão. A tese de doutoramento pode ser consultada na íntegra no seguinte link:

20 fevereiro 2021

Companhia de Teatro Art'Imagem realiza encontro público virtual sobre a Peça de Teatro "Desastre Nu" de António Aragão

A Companhia de Teatro do Porto Art'Imagem realiza no dia 26 de Fevereiro de 2021 às 21 horas um encontro público virtual via Zoom e Facebook para conversa e reflexão sobre o processo criativo do espectáculo "Desastre Nu" da autoria de António Aragão. No encontro, sujeito a inscrição prévia, participarão programadores, criadores e espectadores.

11 fevereiro 2021

Neta de António Aragão escreve sobre Poesia Experimental Portuguesa para a sua escola

A neta mais velha de António Aragão, Maria Aragão Correia, aluna do grade 2 da Clonlara School, escola dos Estados Unidos da América, com sede em Michigan, viu o seu trabalho sobre Poesia Experimental Portuguesa publicado na Newsletter de Fevereiro de 2021 da sua escola.

06 janeiro 2021

Região Autónoma da Madeira adquiriu Espólio Artístico de António Aragão

O Governo da Região Autónoma da Madeira concluiu a compra do Espólio Artístico de António Aragão, o qual passou a integrar o património público da Madeira. Foram 5 anos de batalhas judiciais contra os movimentos opressores socialistas que actualmente governam e destroem Portugal e que tudo fizeram para impedir a Madeira de adquirir o Espólio do seu nome mais importante na Arte e na Cultura, António Aragão. A Madeira saiu vencedora desta batalha, resistindo uma vez mais com sucesso ao colonialismo de índole comunista imposto por Lisboa, e afirmando-se, como sempre, como terra livre de todo o tipo de ditaduras socialistas. Tudo isto na mesma altura em que António Aragão está mais uma vez em exposição nos Estados Unidos da América, agora na Universidade do Hawaii. A Família de António Aragão, constituída por Marcos Aragão Correia, sua Esposa e os seus quatro filhos, netos de António Aragão, agradecem ao Governo Regional da Madeira, em especial ao seu Presidente Dr. Miguel Albuquerque e ao Partido Social Democrata, todo o empenho que demonstraram nesta importante aquisição para a Madeira. Um muito obrigado também aos nossos Advogados, Dr. Francisco Teixeira da Mota, Dra. Luísa Teixeira da Mota e Dr. Tomás Pereira da Silva, pelo enorme profissionalismo, competência e honestidade com que sempre actuaram.

20 dezembro 2020

Edições do Saguão prepara-se para reeditar Obras Literárias de Prosa e Poesia da autoria de António Aragão

A Editora de Lisboa Edições do Saguão encontra-se a preparar a reedição das Obras Literárias esgotadas, de Prosa e de Poesia, da autoria de António Aragão. O acordo com o único filho e herdeiro de António Aragão, Marcos Aragão Correia, detentor dos Direitos de Autor, visa garantir que o público tenha acesso a todas as Obras de António Aragão durante as Comemorações do Centenário do Nascimento de António Aragão, as quais decorrerão nos meses de Julho, Agosto e Setembro de 2021 em diversas cidades de Portugal, por iniciativa do Governo da Região Autónoma da Madeira e da Universidade Fernando Pessoa. A reedição das Obras Literárias será realizada sob a coordenação do Prof. Dr. Rui Torres.

15 dezembro 2020

University of Hawai'i prolonga exposição com Obras de António Aragão nos Estados Unidos da América

Os dois Cadernos de Poesia Experimental Portuguesa editados e coordenados por António Aragão em exposição na University of Hawai'i, USA.

University of Hawai'i at Mānoa, nos Estados Unidos da América, decidiu prolongar a exposição colectiva "Networks, Collaboration and Resistance in/between Portugal and Brazil, 1962-1982", onde se encontram representadas Obras de Arte da autoria de António Aragão que integram a colecção particular Arquivo Fernando Aguiar. Inicialmente prevista para terminar no dia 10 de Dezembro de 2020, a University of Hawai'i decidiu prolongar a exposição até ao dia 28 de Janeiro de 2021. A entrada é livre.

25 novembro 2020

António Aragão em exposição nos Estados Unidos da América

Encontra-se a decorrer na University of Hawai'i at Mānoa, nos Estados Unidos da América, até 10 de Dezembro de 2020, a exposição colectiva "Networks, Collaboration and Resistance in/between Portugal and Brazil, 1962-1982", onde se encontram representadas Obras de Arte da autoria de António Aragão que integram a colecção particular Arquivo Fernando Aguiar. É com muito orgulho que António Aragão volta a ser honrado no meio Artístico dos Estados Unidos da América, onde durante a sua vida tinha desempenhado um papel fundamental como pioneiro de Portugal na Xerox Art e na Mail Art, nomeadamente através do projecto que criou na Madeira com o nome "Filigrama", e que serviu de circuito de correspondência artística com numerosos Artistas dos Estados Unidos. Nunca é de mais sublinhar a opinião de António Aragão de que os Estados Unidos da América constituem o centro da civilização moderna e da Liberdade, e é por isso com muito orgulho que este website é alojado e tecnologicamente mantido nos Estados Unidos da América.

Link da University of Hawai'i para a Exposição:

https://hawaii.edu/art/networks-collaboration-and-resistance-in-between-portugal-and-brazil-1962-1982/

19 outubro 2020

Actor Ruy de Carvalho participará nas Comemorações do Centenário do Nascimento de António Aragão



O conceituado actor português Ruy de Carvalho irá participar nas Comemorações do Centenário do Nascimento de António Aragão que decorrerão nos meses de Julho a Setembro de 2021, numa parceria entre a Universidade Fernando Pessoa e o Governo da Região Autónoma da Madeira. Ruy de Carvalho que teve como sua única esposa e mãe dos seus dois filhos, Ruth Aragão de Carvalho, irmã de António Aragão, irá proceder à leitura teatral de vários poemas de António Aragão nas cidades de Coimbra e do Funchal.

01 outubro 2020

Universidade de Coimbra: nova tese de doutoramento reafirma António Aragão como pioneiro na Electrografia e Copy (Xerox) Art em Portugal

A Universidade de Coimbra publicou em Setembro de 2020 a tese de doutoramento, aprovada com distinção, da autoria do Prof. Dr. Bruno Daniel Ministro dos Santos, que com o título "Todas as Cópias são Originais: eletrografia e copy art em Portugal", aprofunda e confirma o papel de António Aragão como pioneiro em Portugal não apenas na Poesia Experimental mas também na Electrografia e Copy Art (Xerox Art). A tese encontra-se disponível na seguinte página da Universidade de Coimbra:

https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/91050

30 julho 2020

Comemorações do Centenário do Nascimento de António Aragão: ano 2021, Colóquio, Exposição e Festival organizados pela Universidade Fernando Pessoa (Porto, Portugal)



António Manuel de Sousa Aragão Mendes Correia, que ficou mais conhecido apenas como António Aragão, nasceu na ilha da Madeira (Portugal) em 22 de Setembro de 1921. António Aragão foi um dos maiores vultos da Cultura e Arte Portuguesas do século XX, tendo marcado toda a sua Obra por uma forte crítica a todas as formas de opressão, do comunismo ao nazismo (ambos formas de socialismo), assumiu-se como Libertário e inerentemente anti-nacionalista, anti-racista e anti-colonialista. A sua linha de pensamento identifica-se sobretudo com o Anarco-Individualismo protagonizado por William Godwin, Josiah Warren e Henry David Thoreau.
Completando-se no ano de 2021 os 100 anos desde o nascimento de António Aragão, a Universidade Fernando Pessoa (Porto, Portugal) organiza as comemorações do centenário do seu nascimento, que incluirá as vertentes de Colóquio, Exposição e Festival, com início em Julho de 2021 e conclusão no final de Setembro de 2021.
Sob a designação genérica de "Multiplicidade da experiência: António Aragão (1921-2008), antena receptiva", as comemorações do centenário do nascimento de António Aragão são organizadas sob a direcção do Prof. Dr. Rui Torres, da Universidade Fernado Pessoa, e com a colaboração do Dr. Bruno Ministro (da Universidade de Coimbra), integrando a comissão científica dos eventos os professores: Diogo Marques (Centro de Literatura Portuguesa, Universidade de Coimbra), Duarte Manuel Freitas (Universidade Autónoma de Lisboa), Eunice Ribeiro (Universidade do Minho), Inês Cardoso (Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, Universidade do Porto), Isabel Santa Clara (Universidade da Madeira), Manuel Portela (Universidade de Coimbra), Rogério Barbosa da Silva (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Brasil), Rosa Maria Martelo (Universidade do Porto), Rui Carita (Universidade da Madeira) Sara Lacerda Campino (Instituto de Estudos de Literatura e Tradição, Universidade Nova de Lisboa).

10 março 2020

RTP - Portuguese Radio and Television: "Art'Imagem puts "Naked Disaster" on stage"


RTP - Portuguese Radio and Television
09 March 2020

CULTURE
Art'Imagem puts "Naked Disaster" on stage


The Theater play "Desastre Nu", by António Aragão, opens on Tuesday at Quinta da Caverneira, in Maia, and puts on stage a tragicomedy that addresses the "urgency of destroy or reconstruct" political, economic, social or religious powers.

On stage until Sunday, four actors play nine characters in a neurotic and crazy state, promoting a kind of collective psychosis that makes them reach the emotional limit and that has the consequence of revolutionizing themselves within a society that is in crisis, said today the Theater Company Art'Imagem, in a public statement sent to Lusa news agency.

With dramaturgy and staging by Daniela Pêgo, the characters eagerly hope to reach a successful outcome and deal constantly with who they are, evading their frustration, the theater company stressed.

Focused on human behavior and exposing the incoherence and ignorance of societies, "Desastre Nu" shows men and women at an extreme limit, lonely and aggressively exposed in a fierce criticism of society, the press release stated.

"Some are born for and others against. What is the safest direction?", they question, finding themselves in reflection with the "dirty reality" of existence.

"Humanity is full of itself. It is urgent to destroy (rebuild?) power. Political power, religious power, economic power, social power, discrimination and abuse are linked in one text and on stage, in a power game with cyclical and absurdly expansive plots", they explained.

Over the course of 90 minutes, the characters promote the representation of the social crisis that humanity is experiencing, showing their "rotten ailments", the theater company said.

Humanity "smells bad, smells very bad", they stressed, adding that this theater play demonstrates the "madness of yesterday and today".

From Quinta da Caverneira, the "Desastre Nu" goes to the Municipal Theater of Bragança (April 1st), Casa de Teatro de Sintra (April 4th) and Fórum Jovem da Maia (April 8th).

in RTP News (09 March 2020):

05 março 2020

Theater play "Desastre Nu" by António Aragão, staged by the Art'Imagem Theater Company, opens in Porto on March 10, 2020



Theater play "Desastre Nu" by António Aragão, staged by the Art'Imagem Theater Company, opens in Porto on March 10, 2020

March 10 - 15, 2020
Tuesday to Saturday: 9:30 PM, Sunday: 4:00 PM

"Desastre Nu" - Author: António Aragão; Theater play staged by Art'Imagem Theater Company.

Text: António Aragão; Dramaturgy and Staging: Daniela Pêgo; Interpretation: Flávio Hamilton, Diana Barnabé, Filipe Gaspar and Gustavo Caldeira; Staging Assistant: André Rabaça; Light and Video Design: André Rabaça; Costumes and Props: Cláudia Ribeiro; Sound and musical creation: Carlos Adolfo; Production: Sofia Leal and José Pedro Pereira; Director of Teatro Art'Imagem: José Leitão.

Address: Quinta da Caverneira, Avenida Pastor Joaquim Eduardo Machado, Águas Santas, Maia, Porto, Portugal.

Synopsis:
"Humanity stinks.
Four actors play 12 characters that reveal in a seriously absurd way the reality of the state in which the world is, the systems, the people... and the smells. A show full of sarcastic humor that allows us to reflect on the condition of being. A text of today and always about the awareness of the individual and social being.
On stage, we question the forces that move the world, our existence... and yes, we detect that we smell very, very badly.
Where are the authorities? Laws, morals, justice and good manners? Will we ever know anything about our fear? It all seems as difficult as putting socks on your shoes. It's too much. They changed my sex and now I enjoy what I don't do. Bunch of sons of bitches, outcast and boring people.
Where are the people?
This show promises to be a true Naked Disaster".

in Official Website of Maia City Hall (Porto, Portugal): https://www.cm-maia.pt/pages/576?event_id=2104

29 dezembro 2019

António Aragão - main founder of Portuguese Experimental Poetry

Based on the identification of three fundamental vectors in the history of Portuguese Experimental Poetry (confluence, encounter, network), this article, written by Dr. Bruno Ministro and published by Coimbra University in December 2019, outlines, in the first part, an overview of the flows and counterflows that marked literary experimentalism activities during the 1960s. In the second part, it is argued that António Aragão plays a pivotal role in the dialogues established in an international network, shedding light on some of his contacts with several Italian neo-avant-garde poets and analyzing his collaboration in one of their most known magazines.

12 outubro 2019

Peça de Teatro "Desastre Nu" de António Aragão percorrerá Portugal

Depois de em 2008 / 2009 a Companhia de Teatro do Funchal "Contigo Teatro" ter encenado na Madeira a Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão, promovendo debates, conferências e até um concurso público, é a vez agora da Companhia de Teatro do Porto "Art'Imagem" promover esta importantíssima Obra de António Aragão por numerosas cidades do continente Português, com estreia confirmada na cidade do Porto em Março de 2020, e num total de pelo menos 20 encenações. A Peça de Teatro "Desastre Nu" é uma autêntica denúncia corrosiva, recheada de humor sarcástico, contra o desastre que constitui o Estado Português socialista / comunista, a continuada falta de liberdade pós 25 de Abril, a opressão e a perseguição de que são vítimas em Portugal todos aqueles que ousam pensar por si mesmos e de maneira distinta do pensamento único imoral e hipócrita imposto pelo governo e seus lacaios; em suma, um desastre nu!

05 outubro 2019

Confirmadas 20 representações da Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão pela Companhia de Teatro do Porto Art'Imagem em 2020

A Companhia de Teatro do Porto Art'Imagem assinou com Marcos Aragão Correia, único filho e herdeiro de António Aragão, contrato que confirma a encenação da Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão, e que foi Prémio Nacional em 1981, num total de 20 representações em várias cidades de Portugal, com estreia em Março de 2020. A dramaturgia e encenação é da responsabilidade de Daniela Pêgo, conhecida actriz formada em interpretação pela Academia Contemporânea do Espectáculo.

23 setembro 2019

Marcos Aragão Correia apresenta queixa contra o Governo Português à Comissão Europeia


Na sequência das graves ilegalidades e crimes cometidos pelo actual corrupto socialista / comunista Governo da República Portuguesa contra a Família de António Aragão, nome maior das Artes e da Cultura Portuguesa, e por conseguinte Cultura Europeia, o único filho e herdeiro de António Aragão, Marcos Aragão Correia, apresentou, por escrito e no dia de hoje (23/09/2019), queixa formal contra o Governo da República Portuguesa à Comissão Europeia, em Bruxelas, queixa submetida de acordo com os procedimentos administrativos aprovados pela União Europeia, no caso concreto por violação flagrante da European Union's cultural heritage laws.

13 setembro 2019

Revista Colóquio Letras publica novo ensaio sobre António Aragão


A Revista Colóquio Letras, da Fundação Calouste Gulbenkian, publicou este mês (Setembro de 2019) um novo ensaio sobre António Aragão, da autoria do Dr. Bruno Ministro:

"Mergulhar e quase desaparecer : António Aragão e a poesia experimental portuguesa" / Bruno Ministro. In: Revista Colóquio/Letras. Ensaio, n.º 202, Set. 2019, p. 149-159.
Resumo: Retomando a história incompleta da PO.EX, esta investigação pretende, não só lançar uma nova perspetiva sobre a génese do experimentalismo português, como também resgatar aquela que é uma das suas figuras mais determinantes e, simultaneamente, hoje mais invisibilizadas.