10 março 2020

RTP - Portuguese Radio and Television: "Art'Imagem puts "Naked Disaster" on stage"


RTP - Portuguese Radio and Television
09 March 2020

CULTURE
Art'Imagem puts "Naked Disaster" on stage


The Theater play "Desastre Nu", by António Aragão, opens on Tuesday at Quinta da Caverneira, in Maia, and puts on stage a tragicomedy that addresses the "urgency of destroy or reconstruct" political, economic, social or religious powers.

On stage until Sunday, four actors play nine characters in a neurotic and crazy state, promoting a kind of collective psychosis that makes them reach the emotional limit and that has the consequence of revolutionizing themselves within a society that is in crisis, said today the Theater Company Art'Imagem, in a public statement sent to Lusa news agency.

With dramaturgy and staging by Daniela Pêgo, the characters eagerly hope to reach a successful outcome and deal constantly with who they are, evading their frustration, the theater company stressed.

Focused on human behavior and exposing the incoherence and ignorance of societies, "Desastre Nu" shows men and women at an extreme limit, lonely and aggressively exposed in a fierce criticism of society, the press release stated.

"Some are born for and others against. What is the safest direction?", they question, finding themselves in reflection with the "dirty reality" of existence.

"Humanity is full of itself. It is urgent to destroy (rebuild?) power. Political power, religious power, economic power, social power, discrimination and abuse are linked in one text and on stage, in a power game with cyclical and absurdly expansive plots", they explained.

Over the course of 90 minutes, the characters promote the representation of the social crisis that humanity is experiencing, showing their "rotten ailments", the theater company said.

Humanity "smells bad, smells very bad", they stressed, adding that this theater play demonstrates the "madness of yesterday and today".

From Quinta da Caverneira, the "Desastre Nu" goes to the Municipal Theater of Bragança (April 1st), Casa de Teatro de Sintra (April 4th) and Fórum Jovem da Maia (April 8th).

in RTP News (09 March 2020):

05 março 2020

Theater play "Desastre Nu" by António Aragão, staged by the Art'Imagem Theater Company, opens in Porto on March 10, 2020



Theater play "Desastre Nu" by António Aragão, staged by the Art'Imagem Theater Company, opens in Porto on March 10, 2020

March 10 - 15, 2020
Tuesday to Saturday: 9:30 PM, Sunday: 4:00 PM

"Desastre Nu" - Author: António Aragão; Theater play staged by Art'Imagem Theater Company.

Text: António Aragão; Dramaturgy and Staging: Daniela Pêgo; Interpretation: Flávio Hamilton, Diana Barnabé, Filipe Gaspar and Gustavo Caldeira; Staging Assistant: André Rabaça; Light and Video Design: André Rabaça; Costumes and Props: Cláudia Ribeiro; Sound and musical creation: Carlos Adolfo; Production: Sofia Leal and José Pedro Pereira; Director of Teatro Art'Imagem: José Leitão.

Address: Quinta da Caverneira, Avenida Pastor Joaquim Eduardo Machado, Águas Santas, Maia, Porto, Portugal.

Synopsis:
"Humanity stinks.
Four actors play 12 characters that reveal in a seriously absurd way the reality of the state in which the world is, the systems, the people... and the smells. A show full of sarcastic humor that allows us to reflect on the condition of being. A text of today and always about the awareness of the individual and social being.
On stage, we question the forces that move the world, our existence... and yes, we detect that we smell very, very badly.
Where are the authorities? Laws, morals, justice and good manners? Will we ever know anything about our fear? It all seems as difficult as putting socks on your shoes. It's too much. They changed my sex and now I enjoy what I don't do. Bunch of sons of bitches, outcast and boring people.
Where are the people?
This show promises to be a true Naked Disaster".

in Official Website of Maia City Hall (Porto, Portugal): https://www.cm-maia.pt/pages/576?event_id=2104

21 janeiro 2020

The Family of António Aragão is going to sue the Portuguese State in the European Court of Human Rights


After presenting a formal complaint to the European Commission in Brussels, Marcos Aragão Correia, the only son and inheritor of all the Patrimony of António Aragão, major figure in Contemporary Portuguese Art and Culture, received a letter from the European Commission in December 2019, stating the high importance of the European Culture and that this issue must be solved through judicially means since the European Commission does not have a specific competence in this field:

"The European Commission regards the safeguarding of European cultural heritage with the highest importance. The Commission actively encourages and supports cultural activities, including in the field of heritage, within the framework of its different programmes and policies.
However, I must inform you that the European Union does not have a specific competence in this field. The upkeep, protection, conservation and renovation of cultural heritage are primarily a national responsibility. According to article 167 of the Treaty on the Functioning of the European Union, actions by the Union in the cultural heritage field are limited to encouraging cooperation between Member States and, if necessary, supporting and implementing their actions, inter alia, in view of the conservation and safeguarding of cultural heritage of European significance.
The Union adopts to this end incentive measures, excluding however any harmonisation of the laws and regulations of the Member States.",
in European Commission letter sent to Marcos Aragão Correia with reference Brussels EAC.D1/ES (2019), signed by Deputy Head of Unit Susanne Hollmann.

Consequently, the Family of António Aragão has decided to sue the Portuguese State in the European Court of Human Rights, judicial procedure that will start in the current year of 2020.

We must remember that the current government of the Portuguese Republic is a totally corrupt one, and that its current prime-minister António Costa was a key minister in the totally corrupt government of the former prime-minister of Portugal José Sócrates, accused by the public prosecution of committing 31 severe crimes, including corruption, money laundering, document forgery and qualified tax fraud. We must also understand that these accusations done by the public prosecution of Portugal were only able to take place after José Sócrates lost his chair as prime-minister and being replaced by his adversary Pedro Passos Coelho in 2011. Nevertheless, in 2015, after António Costa made a coalition with the communists (his father was one of the leaders of the Portuguese Communist Party), the corrupt portuguese Socialist Party regain the government of Portugal, and was since then trying to force the public prosecutors to cease accusing José Sócrates. This is possible in Portugal, since Portugal has always been a dictatorship, and its judicial system is controlled by the government.

As Prof. Dr. José Martins Barra da Costa (Criminologist and former Chief-Inspector of the portuguese Judicial Police) explained publicly (please refer to the link http://www.aragao.org/2018/08/dr-barra-da-costa-inspector-chefe-da-policia-denuncia-corrupcao-total-portugal.html), the chief of the Public Prosecution Office in Portugal is appointed by the portuguese prime-minister, and the judges of the Constitutional Court are appointed by the political party with the majority in the Portuguese Parliament (i.e., the government), and the same happens with the disciplinary institution that controls the judges in Portugal (the "Magistracy Superior Council") which it's able to expel judges and also to promote them to the highest portuguese courts.

Consequently, it is not to be surprised when the corrupt portuguese Socialist Party has done everything to stop Marcos Aragão Correia to sell the Art Patrimony of António Aragão to the Regional Government of Madeira, social-democrats that were disputing the elections in 2019 against the corrupt socialist mayor of the city of Funchal Paulo Cafôfo, the same criminal that has publicly promised to buy all this Patrimony for the City of Funchal in 2015, but took over it never paying a single euro to its only owner Marcos Aragão Correia. So, when in 2019 the Regional Government of Madeira announced publicly that wanted to buy the Art Patrimony of António Aragão, the corrupt government of Portugal asked to a socialist public prosecutor of the communist portuguese city of Montemor-o-Novo to accuse the son of António Aragão of "mistreatment of animals", judicial procedure started in 2019 when Marcos Aragão Correia does not live in Portugal since February 2017 and never has return since. Of course that that completely false accusation, never notified to the son of António Aragão, was delivered with a single purpose: to prevent Marcos Aragão Correia of obtaining his portuguese criminal record certificate, essential condition to make business with any public institution of Portugal. Despite Marcos Aragão Correia was never convicted of any crime in any Country, this indeed delivered the intended result - Marcos Aragão Correia could not sell until this moment and only because of this the Art Patrimony of his father to the Regional Government of Madeira, even against all evidences: Marcos Aragão Correia has never been in Portugal since February 2017 and he is a vegetarian for more than 20 (twenty) years!

Let's also remember that the current corrupt portuguese government has done everything to prevent the public prosecutor of Funchal city from accusing the socialist mayor Paulo Cafôfo, in the sequence of the court case that Marcos Aragão Correia started against him in February of 2018, suing Paulo Cafôfo for all the crimes and damages that he caused to the Family of António Aragão. The public prosecutor indeed recused without any plausible explanation (!) to investigate the denunciation, and ordered it to be archived without even hearing the accused, decision that was immediately appealed by Marcos Aragão Correia, but very strangely the portuguese colleague that was at the time representing the son of António Aragão (who also is a Lawyer) committed a severe technical fault that made impossible to compel the public prosecutor to do his job and investigate the socialist Paulo Cafôfo, as the Court of Appeal of Lisbon later confirmed saying explicitly that the court case was deemed to unsuccess due to that "technical fault".

This is Portugal, socialism and communism.

This is the reason why the majority of the Portuguese People do not vote anymore.

This is the reason why our only hope is the European Court of Human Rights, where the portuguese government has no influence at all.

21 of January of 2020,
Marcos Aragão Correia (only son and inheritor of António Aragão),
Anabel Aragão Correia (daughter-in-law of António Aragão),
Maria Aragão Correia (granddaughter of António Aragão),
João Aragão Correia (grandson of António Aragão),
Joana Aragão Correia (granddaughter of António Aragão).

29 dezembro 2019

António Aragão - main founder of Portuguese Experimental Poetry

Based on the identification of three fundamental vectors in the history of Portuguese Experimental Poetry (confluence, encounter, network), this article, written by Dr. Bruno Ministro and published by Coimbra University in December 2019, outlines, in the first part, an overview of the flows and counterflows that marked literary experimentalism activities during the 1960s. In the second part, it is argued that António Aragão plays a pivotal role in the dialogues established in an international network, shedding light on some of his contacts with several Italian neo-avant-garde poets and analyzing his collaboration in one of their most known magazines.

12 outubro 2019

Peça de Teatro "Desastre Nu" de António Aragão percorrerá Portugal

Depois de em 2008 / 2009 a Companhia de Teatro do Funchal "Contigo Teatro" ter encenado na Madeira a Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão, promovendo debates, conferências e até um concurso público, é a vez agora da Companhia de Teatro do Porto "Art'Imagem" promover esta importantíssima Obra de António Aragão por numerosas cidades do continente Português, com estreia confirmada na cidade do Porto em Março de 2020, e num total de pelo menos 20 encenações. A Peça de Teatro "Desastre Nu" é uma autêntica denúncia corrosiva, recheada de humor sarcástico, contra o desastre que constitui o Estado Português, a continuada falta de liberdade pós 25 de Abril, a opressão e a perseguição de que são vítimas em Portugal todos aqueles que ousam pensar por si mesmos e de maneira distinta do pensamento único imoral e hipócrita imposto pelo governo e seus lacaios; em suma, um desastre nu!

05 outubro 2019

Confirmadas 20 representações da Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão pela Companhia de Teatro do Porto Art'Imagem em 2020

A Companhia de Teatro do Porto Art'Imagem assinou com Marcos Aragão Correia, único filho e herdeiro de António Aragão, contrato que confirma a encenação da Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão, e que foi Prémio Nacional em 1981, num total de 20 representações em várias cidades de Portugal, com estreia em Março de 2020. A dramaturgia e encenação é da responsabilidade de Daniela Pêgo, conhecida actriz formada em interpretação pela Academia Contemporânea do Espectáculo.

26 setembro 2019

Prof. Dr. José Martins Barra da Costa, Criminologista e antigo Inspector-Chefe da Polícia Judiciária: "Portugal é um país corrupto porque os seus governantes são psicopatas"

Prof. Dr. José Martins Barra da Costa, Criminologist and former Chief Inspector of the Judicial Police: "Portugal is a corrupt country because its rulers are psychopaths".

Prof. Dr. José Martins Barra da Costa, Criminologista e antigo Inspector-Chefe da Polícia Judiciária: "Portugal é um país corrupto porque os seus governantes são psicopatas".

23 setembro 2019

Marcos Aragão Correia apresenta queixa contra o Governo Português à Comissão Europeia


Na sequência das graves ilegalidades e crimes cometidos pelo actual corrupto Governo da República Portuguesa contra a Família de António Aragão, nome maior das Artes e da Cultura Portuguesa, e por conseguinte Cultura Europeia, o único filho e herdeiro de António Aragão, Marcos Aragão Correia, actualmente residente na Bélgica, apresentou, por escrito e no dia de hoje (23/09/2019), queixa formal contra o Governo da República Portuguesa à Comissão Europeia, em Bruxelas, queixa submetida de acordo com os procedimentos administrativos aprovados pela União Europeia, no caso concreto por violação flagrante da European Union's cultural heritage laws.

13 setembro 2019

Revista Colóquio Letras publica novo ensaio sobre António Aragão


A Revista Colóquio Letras, da Fundação Calouste Gulbenkian, publicou este mês (Setembro de 2019) um novo ensaio sobre António Aragão, da autoria do Dr. Bruno Ministro:

"Mergulhar e quase desaparecer : António Aragão e a poesia experimental portuguesa" / Bruno Ministro. In: Revista Colóquio/Letras. Ensaio, n.º 202, Set. 2019, p. 149-159.
Resumo: Retomando a história incompleta da PO.EX, esta investigação pretende, não só lançar uma nova perspetiva sobre a génese do experimentalismo português, como também resgatar aquela que é uma das suas figuras mais determinantes e, simultaneamente, hoje mais invisibilizadas.

11 setembro 2019

Companhia de Teatro do Porto prepara estreia de Peça de Teatro de António Aragão

A Companhia de Teatro do Porto Art´Imagem iniciou os preparativos para estrear em Março de 2020, na cidade do Porto, a Peça de Teatro "Desastre Nu" da autoria de António Aragão. A encenação será da responsabilidade de Daniela Pêgo.

27 agosto 2019

António Aragão em exposição no Rio de Janeiro

A exposição "Poesia Experimental Portuguesa" organizada pela Espaço Líquido, com curadoria de Omar Khouri e Bruna Callegari, e patrocinada pelo Governo Federal do Brasil, chegará em breve à cidade do Rio de Janeiro, onde estará patente ao público depois do sucesso obtido nas cidades de Brasília e São Paulo. Esta importante exposição integra diversas Obras da autoria de António Aragão, principal pioneiro da Poesia Experimental em Portugal.

21 agosto 2019

Fundació Joan Brossa divulga António Aragão


A Fundació Joan Brossa, uma das mais importantes instituições culturais da Catalunha, vai publicar o Poema Azul e Branco, da autoria de António Aragão, no livro "The Net in the Forest. Joan Brossa and experimental poetry, 1946-1980", o qual será lançado a partir de Outubro de 2019 numa parceria com o Ayuntamiento de Barcelona. A curadoria da edição é da responsabilidade de Eduard Escoffet.

23 julho 2019

Prefácios dos novos livros de António Aragão

Prefácios das novas edições dos livros da autoria de António Aragão, lançados na Fundação de Serralves (cidade do Porto) no dia 5 de Julho de 2019:

"Electrografias", Editora Busílis, 2019, prefácio da autoria do Dr. Bruno Ministro (Universidade de Coimbra):


"Os bancos antes da nacionalização", Editora Tigre de Papel, 2019, prefácio da autoria da Dra. Inês Cardoso (Universidade do Porto):

23 junho 2019

Fundação de Serralves acolhe lançamento das duas novas edições de António Aragão

A Fundação de Serralves irá acolher o lançamento das duas novas edições de António Aragão, a saber, o livro "Electrografias" com chancela da Editora Busílis e o livro "Os bancos antes da nacionalização" com chancela da Editora Tigre de Papel. O lançamento, que será conjunto para estas duas obras literárias, ocorrerá na livraria da Fundação de Serralves no dia 5 de Julho de 2019 às 18h30, com entrada livre. A coordenação, introdução e moderação da sessão estará a cargo do Prof. Dr. Rui Torres (Universidade Fernando Pessoa), a apresentação do livro "Electrografias" será da responsabilidade do Dr. Bruno Ministro (Universidade de Coimbra), a do livro "Os bancos antes da nacionalização" será da responsabilidade da Dra. Inês Cardoso (Universidade do Porto), e o Dr. Fernando Aguiar irá falar sobre a vida de António Aragão e o seu papel pioneiro na Poesia Experimental Portuguesa.
Fundação de Serralves
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto.

09 junho 2019

Região Autónoma da Madeira confirma aquisição do Espólio de António Aragão


Presidência do Governo Regional da Madeira confirma aquisição do Espólio de António Aragão

A Família de António Aragão recebeu missiva datada de 3 de Junho de 2019, assinada pelo Exmo. Sr. Presidente do Governo Regional da Madeira Dr. Miguel Filipe Machado de Albuquerque, confirmando que a Região Autónoma da Madeira irá proceder à aquisição do Espólio de António Aragão ainda durante a corrente legislatura autonómica. Esta decisão vem prestar o devido reconhecimento da Madeira a um dos seus maiores vultos, António Manuel de Sousa Aragão Mendes Correia, e limpar o enxovalhamento criminoso a que Paulo Cafôfo, actual presidente da Câmara Municipal do Funchal, sujeitou o preciosíssimo Espólio Artístico de António Aragão. António Aragão foi o Madeirense com maior reconhecimento internacional nas áreas da Arte e da Cultura, pioneiro na Poesia Experimental e na Electrografia em Portugal, pioneiro na História e na Arqueologia da Madeira, pioneiro no estudo e recolha sistematizada do Folclore da Madeira, Artista Plástico com centenas de exposições em numerosos Países da Europa, América e Ásia, encontrando-se representado em numerosas colecções privadas e institucionais e aclamado pela crítica.

Obras de António Aragão em exposição no Metro da Cidade de São Paulo


Obras de António Aragão em exposição no Metro de São Paulo até 2 de Julho

A convite do Consulado de Portugal em São Paulo, diversas Obras da exposição "Poesia Experimental Portuguesa", exposição patrocinada pelo Governo Federal do Brasil, estarão expostas na Estação da Luz (Linha 4-Amarela) do Metro da Cidade de São Paulo, de 3 de Junho a 2 de Julho de 2019. 

A curadoria realizada por Bruna Callegari e Omar Khouri, com a chancela da Espaço Líquido, é um recorte de 20 Obras, dentre as mais de 80 que estiveram na exposição original realizada na cidade de Brasília em 2018. São reproduções-cartazes que trazem um pouco da história da Poesia Esperimental Portuguesa desde a década de 1960 aos dias actuais e que divulgarão o projecto para um público estimado de 5 milhões de pessoas que circularão pela estação do Metro durante o período expositivo.

A exposição com Obras originais reúne 18 Artistas, entre os quais António Aragão, pioneiro da Poesia Experimental Portuguesa, e tem prevista itinerância por São Paulo e Rio de Janeiro entre 2019 e 2021.

Foto de uma das Obras de António Aragão expostas no Metro de São Paulo.

20 maio 2019

António Aragão em exposição no Metro de São Paulo



António Aragão no Metro da Cidade de São Paulo, Brasil

No âmbito da itinerância da Exposição Poesia Experimental Portuguesa no Brasil, exposição organizada pela Espaço Líquido com o patrocínio do Governo Federal do Brasil, diversas Obras de António Aragão, conjuntamente com as de outros Artistas de relevo, estarão em exposição na Estação da Luz do Metro da Cidade de São Paulo, do dia 3 ao dia 30 de Junho de 2019. A Estação da Luz é uma das estações de Metro com maior fluxo de usuários da Cidade de São Paulo. A Espaço Líquido estima uma circulação de 5 milhões de pessoas que terão acesso à exposição.

10 maio 2019

Doutora Inês Cardoso, da Universidade do Porto, assina prefácio da nova edição de "Os bancos antes da nacionalização" de António Aragão

A nova edição do livro "Os bancos antes da nacionalização" da autoria de António Aragão, com chancela da Editora Tigre de Papel (Lisboa), terá prefácio da Doutora Inês Cardoso, da Universidade do Porto. A coordenação desta edição é da responsabilidade do Professor Doutor Rui Torres, da Universidade Fernando Pessoa.

Editora Tigre de Papel reedita "Os bancos antes da nacionalização" de António Aragão


A Editora Tigre de Papel (Lisboa) contratou a reedição do livro "Os bancos antes da nacionalização", da autoria de António Aragão, com lançamento previsto para o mês de Junho de 2019.

16 abril 2019

Diário de Notícias Madeira: «‘Electrografias’ junta três livros e inéditos de António Aragão»

Diário de Notícias Madeira
16 de Abril de 2019

‘Electrografias’ junta três livros e inéditos de António Aragão


A obra está no prelo, chegará ao público através da editora Búsilis


PORTO /
16 ABR 2019 / 09:00 H.





A capa do novo livro. Foto DR

Está no prelo uma nova edição sobre a Poesia Visual de António Aragão, um livro que reúne três publicados em 1990 e que inclui ainda inéditos. ‘Electrografias’ chega ao público este ano pela editora Búsilis, é um livro ampliado com obras do autor, uma referência na poesia experimental portuguesa, e um texto introdutório de Bruno Ministro intitulado ‘Invenção, destruição: O ininterrupto gesto de pensar o mundo de forma arriscada’. A coordenação foi de Rui Torres, docente da Universidade Fernando Pessoa.
A notícia da nova edição foi avançada pelo filho de António Aragão e está também no site do Arquivo Digital da PO.EX - Poesia Experimental Portuguesa. Este novo livro é uma obra construída através de uma exploração criativa da fotocopiadora. “Electrografias apresenta trabalhos contaminados por efeitos de arrastamento, desgaste e distorção”, revela a sinopse. “Ao atingirem a imagem e a palavra, estas acções estético-performativas contribuem para a emergência de uma poética do excesso em que a iconoclastia da imagem e o nonsense da palavra se cruzam numa conjugação que tem tanto de humorístico quanto de violento”.
Os novos textos que foram incluídos em ‘Electrografias são provenientes dos arquivos de César Figueiredo e de Fernando Aguiar.
António Aragão faleceu em 2008, deixando um extenso trabalho. Além de poeta, escritor e pintor, o madeirense nascido em 1921 deixou ainda a sua marca enquanto historiador, tento entrado no campo da ficção, da dramaturgia, da arqueologia.
Organizador da revista Poesia Experimental (1964 e 1966), participou nas principais iniciativas do experimentalismo literário em Portugal bem como em inúmeras exposições, revistas e projectos no estrangeiro, recorda o Arquivo Digital da PO.EX - Poesia Experimental Portuguesa. “O conjunto da obra de António Aragão é marcado por uma acutilante visão crítica do mundo, dos discursos e dos poderes instituídos”, escreve.
Este livro deverá em breve estar disponível.

in Diário de Notícias Madeira, 16 de Abril de 2019
https://www.dnoticias.pt/5-sentidos/electrografias-junta-tres-livros-e-ineditos-de-antonio-aragao-BA4640571

05 abril 2019

Nova edição de "Electrografias" de António Aragão




Nova edição de Electrografias de António Aragão (Busílis, no prelo)


Publicação de Electrografias, de António Aragão.
Dados da publicação > Editora: Busílis | Local: Porto | Ano: 2019 | Formato: 148×210 | Nº de páginas: 218 | ISBN: 978-989-8582-65-2

Sinopse > Obra construída através de uma exploração criativa da fotocopiadora, Electrografias apresenta trabalhos contaminados por efeitos de arrastamento, desgaste e distorção. Ao atingirem a imagem e a palavra, estas acções estético-performativas contribuem para a emergência de uma poética do excesso em que a iconoclastia da imagem e o nonsense da palavra se cruzam numa conjugação que tem tanto de humorístico quanto de violento. Electrografias reúne num só volume três obras originalmente publicadas em 1990, agora expandidas com um conjunto de inéditos provenientes dos arquivos de César Figueiredo e de Fernando Aguiar.
Sobre o autor > António Aragão (Madeira, 1921-2008), poeta, escritor, pintor, historiador, foi um dos mais activos autores da poesia experimental portuguesa. Organizador da revista Poesia Experimental (1964 e 1966), participou nas principais iniciativas do experimentalismo literário em Portugal bem como em inúmeras exposições, revistas e projectos no estrangeiro. O seu domínio de acção artístico-literária estende-se da poesia experimental à poesia concreta e visual, abarcando ainda a ficção experimental, o teatro e a electrografia. O conjunto da obra de António Aragão é marcado por uma acutilante visão crítica do mundo, dos discursos e dos poderes instituídos. Esta perspectiva incisiva expressa-se através de uma não menos radical materialidade do texto e da imagem.

Inclui texto introdutório de Bruno Ministro, “Invenção, destruição: O ininterrupto gesto de pensar o mundo de forma arriscada”.

01 fevereiro 2019

Universidade Fernando Pessoa (Porto) acolhe inéditos de António Aragão

A Universidade Fernando Pessoa, cidade do Porto, acolheu em Janeiro de 2019 numerosos inéditos de António Aragão, incluindo obras literárias, manuscritos e correspondência, actualmente em processo de catalogação para efeitos de estudo, disponibilização ao público e publicação. O processo está a ser coordenado pelo Prof. Dr. Rui Torres, docente naquela universidade.
Antes, a Universidade Fernando Pessoa tinha já publicado um extenso volume exclusivamente dedicado à Vida e Obra Literária de António Aragão: Cibertextualidades 7.

09 dezembro 2018

JM: «António Aragão ainda é uma referência e um modelo a seguir pelas novas gerações»

JM - Jornal da Madeira
03 de Dezembro de 2018

«António Aragão ainda é uma referência e um modelo a seguir pelas novas gerações»


O documentário 'António Aragão' foi hoje apresentado, na Sala do Senado da Universidade da Madeira.

O registo integra uma série de seis programas sobre artistas plásticos na Madeira e foi produzido pela Secretaria Regional de Educação, através da Direção de Serviços de Educação Artística e Multimédia da Direção Regional de Educação.

A organização do evento foi da responsabilidade de Duarte Encarnação (UMa) e de Paulo Esteireiro (DRE).

Este último mostrou-se satisfeito, em declarações ao JM, pela adesão dos alunos da UMa e do público em geral, que se mostraram interessados em conhecer “uma personalidade única da história cultural da Madeira”.

“A Secretaria Regional de Educação procura manter viva a obra e a vida deste intelectual e artista madeirense, que teve uma projeção nacional e internacional que ainda hoje nos orgulha. Na prática, pretende-se que o nome de António Aragão deixe de ser desconhecido para a população em geral da Madeira, principalmente na educação”, disse.

Para Paulo Esteireiro, “foi consensual no debate que se seguiu à visualização do documentário, que António Aragão foi uma das figuras mais marcantes e multifacetadas da sua geração, no domínio da cultura madeirense. A postura vanguardista, experimentalista e irreverente do seu trabalho ainda hoje pode ser considerada um modelo a seguir pelas novas gerações. Aragão tinha conhecimentos privilegiados para a época e uma rede de contactos internacional, que lhe permitiu ser pioneiro em diversas áreas, desde a arqueologia e a biblioteconomia, passando pela etnografia e a história, até à conservação informada cientificamente, a poesia experimental, o desenho e a escultura”.

Saliente-se ainda que a série de seis programas sobre artistas plásticos da Madeira conta com a direção geral de Virgílio Caldeira e Paulo Esteireiro, sendo a produção da responsabilidade de Filipa Silva e Jorge Conduto. Bruno Santos foi o realizador do documentário sobre António Aragão e o guião conta com a autoria de Raquel Camacho.

20 novembro 2018

Tese de doutoramento da Dra. Maria João Lopes Fernandes defendida em 2018 na Universidade de Lisboa sobre a Poesia Experimental Portuguesa

Tese de doutoramento da Dra. Maria João Lopes Fernandes defendida em 2018 na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa:

«O encontro entre a poesia e as artes visuais: Poesia Experimental Portuguesa, 1964-1974»,

Artigo da Dra. Inês Cardoso sobre a correspondência entre António Aragão e Alberto Pimenta (Universidade do Porto)

Artigo da Dra. Inês Cardoso sobre a correspondência entre António Aragão e Alberto Pimenta:
«às vezes julgo-me na iminência de ver o horror: pensar a Europa em os 3 farros. descida aos infermos. de António Aragão e Alberto Pimenta»,

in Cadernos de Literatura Comparada – Revista do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, Universidade do Porto, n. 38 (2018): Espaços Literários e Territórios Críticos, Orgs.: Ana Paula Coutinho, Gonçalo Vilas-Boas, José Domingues de Almeida, Maria Luísa Malato, Teresa Martins de Oliveira. ISSN 2183-2242. pp. 429-438:

http://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/496/543

19 outubro 2018

Exposição Poesia Experimental Portuguesa em Brasília com Obras de António Aragão





Exposição Poesia Experimental Portuguesa
Local: CAIXA Cultural Brasília – Galerias Piccola I e II (SBS Quadra 4 Lotes 3/4), Brasília
Curadoria: Bruna Callegari e Omar Khouri
Abertura: 16 de outubro de 2018, às 19h
Visitação: de 17 de outubro a 16 de dezembro de 2018
Horário: de terça a domingo, das 9h às 21h
Entrada Franca
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal do Brasil.